Shirobako ~O Bakuman dos Animes~

 

No cardápio de hoje,
teremos um delicioso café,
acompanhado de deliciosas
donuts

wf8AWmShirobako (Caixa Branca) é uma animação de 2014 produzida pelo estúdio P.A. Works (mesmo estúdio de Angel Beats), dirigida por Tsutomu Mizushima e escrita e planejada por Kenji Sugihara. O anime ganhou um prêmio relativamente importante em 2015, o “Animation Kobe”. Shirobako, conta também com dois volumes em mangá (que serviu para divulgar a série um mês antes de seu lançamento); uma adaptação para light novel escrita por Michiko Ito e Hajime Tanaka. O nome “Shirobako” faz referência a uma caixa branca onde continha um conjunto de fitas VHS gravadas pela própria staff.

A história de Shirobako nos apresenta cinco personagens que faziam parte de um clube de animação em sua escola que almejam fazer de seus hobbies  suas futuras profissões.  Após exibir um pequeno projeto amador no festival cultural, ambas prometeram que se reencontrariam na indústria de animação, onde elas seguiriam os seus sonhos e trabalhariam na produção de um anime juntas. A partir disso, acompanhamos cada uma das personagens trilhando as suas carreiras profissionais, em meio a dificuldades e superações nesse universo da animação.

Bem… Shirobako foi um anime que eu realmente não esperava nada dele. E também fiquei com um pé atrás com ele, pelo fato de ele ter sido “hypado” pelo pessoal da internet. Pessoalmente, fiquei meio receoso devido às decepções que tive por ir atrás das recomendações dessas comunidades. Porém, após finalizar os seus vinte e quatro episódios, realmente gostei bastante de Shirobako e achei o anime muito bom. O desenvolvimento da história e da maioria dos seus personagens envolvidos foi muito bem trabalhado e em um bom ritmo. A animação e a trilha sonora (vol 1 & vol 2) foram algo bem agradável que ajudou no clima dos momentos da história; as aberturas  e os encerramentos  também foram algo bem feito. Agora, vamos dar uma profundada e ver o que Shirobako tem de bom a oferecer!

A coisa que mais me chamou a atenção, logo de início, nesse anime foi o ato de ele falar sobre pessoas que fazem anime. Como assisti e li Bakuman, logicamente, pensei que Shirobako seguiria o mesmo método dele: apresentar e explicar como é feito o “produto”, em cima da história dos personagens. E de fato, foi isso que aconteceu. O “tutorial” passou muito bem a ideia de como ocorre a produção de animação. Ele conseguiu passar isso, principalmente, pela personagem principal, Aoi Miyamori (AV Juri Kimura). Já que ela assumia o cargo de assistente de produção, ela e nós (risos) estávamos o tempo todo em contato com as etapas de produção: a entrega dos cortes, como é feito a história, os processos de seleção para dublagem, trilha sonora, o processo artístico dos cortes, enfim. Por causa da função da Aoi, conseguimos ter uma boa noção geral de como funciona um estúdio. E isso fica mais claro no segundo cour do anime, onde ela assume a função de secretária, se não me engano. (desculpem, não lembro o nome que eles dão para o cargo dela).

Sem título                Além da Aoi, as outras protagonistas também passam uma boa ideia de suas respectivas funções. Primeiramente, Ema Yasuhara (AV Haruka Yoshimura) que tem como trabalho desenhar os cortes (chaves e secundários). Em meio a sua frustração e esforço para tentar desenhar direito os cortes e ficarem fluídos percebemos como são confeccionados os cortes. As personagens secundárias também complementam essa ideia, como, por exemplo, a Rinko Ogasawara (AV Ai Kayano) e Yumi Iguchi (AV Manami Numakura). A Misa Toudou (AV Asami Takano), outra protagonista, com o apoio de outras personagens secundárias, consegue mostrar como funciona os dois processos de animação: o método tradicional (desenhado a mão livre) e o 3DCG (feito em computador). Já, a quarta protagonista, Midori Imai (AV Hitomi Ohwada), responsável por participar e criar os storyboards –a base para todo o surgimento da história e da animação- possui uma boa representação. Por fim, temos a Shizuka Sakaki (AV Haruka Chisuga), a caricatura de dubladora que mostra todo o esforço e frustações que, supostamente, uma dubladora apresenta. Bem… para sintetizar esse enorme parágrafo, grande parte das personagens de Shirobako são todas representativas.

 

41As personagens desse anime não são somente meras caricaturas. Elas são bem construídas, em sua grande maioria. O quinteto formado pelas protagonistas não decepcionou ao longo da história. Elas foram construídas em um bom ritmo de acordo com os acontecimentos da história e de seus trabalhos. Ou seja, tudo isso ficou natural. Todos esses fatores contribuíram para que nós (telespectadores) conseguissem criar alguma relação, simpatizar ou se importar com elas. Tudo isso foi trabalhado em cima do esforço, frustrações, decisões e relações de cada uma.  Ao juntarmos essas “pequenas peças” temos a grande cena formada do penúltimo episódio que foi algo realmente emocionante.

Além das protagonistas, as personagens secundárias tiveram um mínimo de base. Como exemplo, podemos citar o diretor, o personagem que saiu da equipe para abrir uma confeitaria, a loira dos twin tails, o cara arrogante (e é explicada a razão de ele ser assim, o que é interessante) de cabelo cinza, entre outros. Até mesmo a novata que fazia parte da equipe dos responsáveis por trabalhar nos cortes tinha a função de fazer a Ema de “mostrar” mais. A única personagem que fique com ressalva foi o cara do moicano. Sinceramente, ele é bem irritante, no entanto, até ele teve uma função (a do cara que atrapalha o andamento do trabalho).

O anime de Shirobako combinado com esse bom conjunto de personagens vivas, consegue criar um ambiente bem agradável. Ele nos convence de que aquilo realmente é um ambiente de trabalho.  Além disso, através das personagens, outras ideias, como a pressão do calendário, conflitos e todo o estresse que isso gera, são mostradas. Ademais, essa obra consegue criar muito bem momentos cômicos para quebrar ou aliviar o clima e deixar a história “suave” e que contribuem, de alguma forma, com a história ou com algum dos personagens. A trilha sonora é outra coisa apreciável nesse anime. Ela consegue encaixar-se nos momentos adequados. Outra coisa que me agradou foram as aberturas (em especial, a segunda) e os encerramentos (disparadamente, o segundo). Ambas são músicas bem agradáveis e gostosas de se escutarem. O segundo encerramento achei bem bacana aquele uso de efeitos de pintura nesses programas de edição. Isso, além de ser algo criativo, fechou com a proposta do anime.

26 Bem… embora eu tenho gostado bastante de Shirobako, tenho algumas ressalvas quanto a ele. A primeira delas seria o uso dos bonecos da Aoi. A função deles era basicamente mostrar, das cores aos pensamentos da personagem principal. Nesse quesito, eles foram bem usados. No entanto, ao tentar explicar certas coisas que seriam mais técnicas, eles usaram esses eles. O erro está nisso. Eles transformam o recurso de alegoria dos bonecos em personagens e isso ficou um tanto quanto… estranho (pelo menos, para a minha pessoa). Até para a história não ficar muito densa cheio de termos técnicos da área, Shirobako cortou algumas coisas, como, por exemplo, a questão financeira. Porém, isso é o de menos. Em função disso, trago à vocês o texto do Blog Gekkou Gear que explicou muito bem passo-a-passo de como funciona o anime sai do papel e ganha cores na TV.

Além de ter uma história bem desenvolvida e um conjunto de bons personagens; 14uma boa trilha sonora e animação, Shirobako ele apresenta um “cenário atual”. Como assim? Ao assistirmos Shirobako, percebemos que aquela história se passa nos tempos atuais, pois trás discussões decorrentes, por exemplo: o uso do 3DCG na animação tradicional; a influência da cultura moe (a exemplo disso, a indústria de Love Live que já comentei em outro texto do Boteco e você encontra aqui) nos animes atuais. A discussão sobre esses dois temas caracterizam o período histórico dessa obra. Outra coisa interessante foi a figura do diretor. Embora ele seja usado em vários momentos como recurso de comédia, ele denuncia o “trabalho escravo” que muitos animadores sofrem nos estúdios. Ou seja, o Shirobako apresenta background, o que torna a experiência mais interessante ainda.

Bem, considerações finais… O anime de Shirobako é algo que merece ser assistido, principalmente para aquelas pessoas mais chegada em animações e que sempre tiveram interesse em saber como é produzido uma. Além disso, Shirobako (entre outros) ele quebra aquela teoria de que “não se faz mais animes bons”. Simplesmente… assistam.

staff

Anúncios

3 comentários em “Shirobako ~O Bakuman dos Animes~

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s