Unbreakable ~A Formação de um Herói; A Formação de uma Ilusão~

“Para o cardápio de hoje,
vós trago um copo de água bem gelada
acompanhado de biscoitos
pequenos e frágeis”

                Unbreakable (Corpo Fechado, título brasileiro) é um filme estadunidense de 2000, dirigido e escrito por M. Night Shyamalan. Em Unbreakable temos a história de David Dunn (Bruce Willis) que, após sofrer um acidente de trem, misteriosamente e milagrosamente, ele descobre no hospital que foi o único sobrevivente e, para seu espanto, saiu ileso. Após isso, um homem chamado Elijah Price (Samuel L. Jackson), entra em contato com o protagonista para tentar convencê-lo de que ele, David, tem superpoderes e deveria ser um super-herói.

                Bem… Unbreakable é realmente um filme muito bom. Possui uma boa história, bem dirigido, uma trilha sonora agradável e uma crítica bem feita e aceitável. A principal característica que mais se destacou no filme foram os movimentos feitos com as câmeras em algumas cenas. Aquilo conseguiu puxar o espectador e coloca-lo dentro daquele universo, como se ele estivesse observando a cena acontecendo. Outra característica dessa movimentação das câmeras foi em uma cena específica. A cena em que Price, ainda criança, recebe uma HQ de sua mãe e ele, abre a caixa de presente. Este momento passou duas possíveis ideias de movimento: o espectador que foi puxado para aquele universo estava interessado em ver melhor aquela HQ e, por isso, decidiu girá-la ou aquele movimento estaria representando o movimento real do objeto (como se fosse a “visão do objeto”). A trilha sonora foi muito bem ela elaborada. Ela conseguiu passar muito bem o clima de histórias de super-heróis, desde os momentos de ação até os de terror e suspense. Basicamente, a OST “varreu” vários gêneros desse tipo de história: ação, suspense, terror, foram os principais.

                A dupla de protagonistas, além de serem bons personagens, há um contraste entre eles. Enquanto David é um homem de aparência simples, tem um emprego simplório (segurança), um corpo perfeitamente saudável e uma vida, aparentemente… também simples (risos), Price já é totalmente o oposto dele. O personagem de Price é nos apresentado como alguém com um corpo totalmente frágil (milagre não ser o caso da doença misteriosa ou câncer) e, por conta disso, foi apelidado como “Mr. Glass” quando era criança. Porém, Price não chega a fazer contraste com David só por causa de seu corpo. O seu modo de vestir-se de forma extravagante e até o seu emprego fazem contraste com a vida de David. Porém, David e Price não são um puro contraste.

             Sabe aquela música do Wesley Safadão (risos): “…99% de…, mas aquele 1% de…”? Então… por mais estranho que isso fique colocado aqui nesse texto, podemos usar essa lógica. A coisa que esses dois personagens tem em comum é a vida problemática. Se Price tem problemas de saúde, David tem problemas em seu casamento. Embora isso não tenha recebido nenhum foque durante o filme, isso ficou um pouco evidente nas primeiras cenas do filme (conversa do vagão entre David e uma mulher; ele tirar o anel de noivado para tentar “algo” com ela). Outro fato que evidencia isso seria o encontro de “recomeço” deles. Mesmo que esse encontro seja justificado como uma forma de comemoração ao milagre ocorrido com David, isso pode ter uma raiz do relacionamento instável deles.

               A história de Unbreakable desenvolve-se com base no contraste entre a dupla. Após o primeiro contato que Price fez com o personagem principal, David ignora-o logo de início. Porém, Price começa a cercar a família de David também. Isso é um fato interessante, pois ele mostra uma obsessão que Price tem por David que serve de base para o plot twist e para a crítica do filme. Com isso, David começa a se testar para descobrir se isso é realmente verdade. Outro fato interessante apresentando, é a figura do filho dele e a sua influência para a crítica do filme. Depois dos fatos ocorridos, David busca o auxílio de Price e vai descobrindo os seus poderes. Podemos fazer um paralelo disso com aquele fato das histórias de super-heróis: o descobrimento de seus próprios poderes. Após esse momento, David descobre que pode começar a ajudar as pessoas com o seu corpo indestrutível e o seu poder de clarisciência. E de fato, isso acontece. Além de ele apresentar uma espécie de uniforme (outra referência), o próprio emprego dele sugere isso: de segurança. A forma como ele age como um herói é interessante também. Ele indo a um local extremamente cheio e escolher o caso mais relevante. A história traz até uma suposta fraqueza para David (a água) que está ligado a um fato na sua história. A trama é bem desenvolvida e ela consegue desencadear tudo isso no plot twist inesperado e na crítica.

                    A grande revelação que a história apresenta é o fato de Price estar envolvido em todos os três acidentes  -que foram citados por ele mesmo durante o filme- que causaram a morte de várias pessoas. Particularmente, isso foi algo bem inesperado. Se antes, Price só usava os heróis de gibis como uma esperança para continuar vivendo, depois dessa revelação, Price passou a ser considerado um louco, um psicopata. A cena da revelação foi bem feita, pois foi algo, digamos natural. Pois foi pelos próprios poderes da clarisciência de David. E isso causou um grande choque para o personagem principal, pois ele estava começando a confiar em Price. O filme estava bem estruturado até esse ponto, mas isso foi levemente quebrado com as cenas finais do filme. Travar a câmera na cara de cada um dos protagonistas e mostrar, em legendas, o que aconteceu com cada um deles, encarei como algo preguiçoso. Eles poderiam muito bem ter mostrado isso através de uma ligação de David para a polícia ou qualquer cosia do tipo. E se fosse algo só para cortar custos, poderiam ter mostrado as legendas depois que a tela do filme estivesse “apagada”. Embora o filme apresente este pequeno problema em sua direção, isso não prejudicou a sua crítica.

                  O grande fechamento da intriga é focado no fechamento do personagem de Samuel L. Jackson. A história traz uma questão interessante para a sua conclusão: a influência de histórias em quadrinhos (até podemos ampliar isso para qualquer material que envolva roteiro) na vida de pessoas. Price, por ter uma vida frágil, ele não tinha muita confiança. Porém, com o contato com as HQ, ele encontrou uma esperança e um objetivo: encontrar o seu lado oposto que seria o seu arque inimigo. Ou seja, ele estava agindo como se fosse um grande vilão em uma história, o que de fato, aconteceu. Também temos isso não só presente em Price, mas também no filho de David. Seu filho tenta agir como o seu pai (que é o herói da história, assim representado). Com base nisso, podemos afirmar que ele usou a figura do pai/herói como o seu ídolo. Isso já apontaria a influência que os gibis fazem nas crianças. O filme, basicamente, traz as influências negativas que essas histórias podem causar na vida das pessoas. Foi algo bem feito, por sinal. Acrescentando, podemos a proposta de Corpo Fechado com o primeiro episódio da sexta temporada de Dr.House e Birdman.

                          Bem… Eu realmente gostei de assistir Unbreakable, achei o filme muito bom. Uma coisa que me deixou incomodado foi o título brasileiro. Eu não entendi o motivo de terem dado esse nome, mas okay. Mas enfim… recomendo assistirem este filme!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s